Início » Revista do Ibirapuera » Quando “melhorias” para um parque podem significar o seu fim